terça-feira, 26 de abril de 2011

Últimas do orfanato

Celebrou-se no passado dia 14 de abril o novo ano nepalês. Estamos no ano 2068. O ‘nosso’ mês de abril (aqui têm outras contagens e designações) corresponde aqui sensivelmente às férias escolares que agora findam. Fazem-se balanços, preparativos.
Eu vi-me metida em assuntos de polícia por causa do tal falso website. Uma experiência que não me apetece repetir.
Visitei várias vezes os miúdos no orfanato, saímos para caminhadas e brincadeiras junto ao lago, vieram lanchar ao meu hotel.
Quando cheguei este ano fui informada de que um dos rapazes tinha desaparecido. Ou alguém o foi buscar à escola ou voltou à vida de rua. Em vez dele encontrei cá o pequeno ‘Filémon’, alcunha que lhe foi atribuída para se distinguir do homónimo Raju já existente. Logo depois chegou o Santosh e entretanto a Santy e o Lajras. São agora treze crianças. O orfanato tem dificuldades mas não consegue resistir aos pedidos insistentes de familiares ou conhecidos para acolher estes miúdos que, de outro modo, viveriam praticamente abandonados.
Foi também tempo de preparar a tal ‘singela homenagem’. Não quero entrar em pormenores, respeito a discrição que muitos me pediram. Mas espero que cada um dos que anuíram ao meu pedido de ajuda se reconheça nas imagens. Uma forma de vos ‘trazer’ até aqui.
Mesmo os mais novos fizeram questão de participar. Penso que Portugal ficará positivamente gravado nas suas memórias.
Tratam-se de amigos meus e amigos do meu irmão. Pessoas que de alguma forma eu conheço. Já nem menciono os meus pais, os meus pilares continuamente presentes. A única pessoa que desconheço é a Rita B. que aqui refiro em especial por não ter qualquer contacto para lhe agradecer de outro modo.
Que as fotos modestamente expressem o nosso sentido obrigado.
Ontem mesmo fui buscá-los ao orfanato e acompanhei-os à escola. Foi o primeiro dia de aulas do novo ano escolar.
As crianças passavam ordeiramente pelos portões do estabelecimento e dispunham-se em filas para os habituais exercícios e rituais matinais antes de entrarem nas salas de aula.
Na presença da Jyoti falei novamente com o diretor e o vice-diretor desta escola. Como no Nepal tudo se negoceia, fizeram um substancial desconto na dívida que deu para pagar este primeiro mês do novo ano escolar.
Estas são, pois, notícias frescas. Estive só à espera da luz para as publicar. Mas tenho ainda algo a dizer: O dinheiro que enviaram ‘esticou’ e deu para mais. Os meus dias continuam cheios e azafamados. Tenho andado, literalmente, a repartir não o mal mas o bem, pelas aldeias.
Mais novidades em breve.

2 comentários:

  1. Ola Lya,
    que bom ter noticias tuas e das crianças! Fiquei muito contente com a homenagem, as fotos ficaram fantásticas, foi mesmo uma boa ideia :)
    Espero que os donativos tenham chegado para assegurar que estas crianças frequentem a escola, tão importante para o futuro delas. Beijinhos e continuação de bom trabalho! E boa viagem!
    Rita B.

    ResponderEliminar
  2. Olá Rita e muito obrigada. Sim, as crianças estão de regresso à escola e, embora a missão continue, este foi, de todos vós, um apoio fantástico. Felicidades!!

    ResponderEliminar