segunda-feira, 19 de abril de 2010

À volta de Mandalay


No dia seguinte, lá estava o Seithan à nossa espera para irmos visitar os arredores de Mandalay.



Começámos em Amarapura por causa da luz...


E para ver a oferenda de comida às centenas de monges do Mosteiro Maha Ganayon.


Olhamos para os monges ainda com mais respeito quando nos lembramos que, neste país, os monges são revolucionários!



Por entre vacas e furgonetas bem aviadas, seguimos para outra localidade: Sagaing.

Rio Ayeyarwady


Subir tanta escada não é facil mas as vistas são totalmente compensadoras de qualquer esforço.


Sagaing é um centro religioso e monástico, com inúmeros mosteiros budistas. Fundada pelo rei Athinkhaya Saw Yun em 1315, pouco tempo depois da queda de Bagan, a cidade serviu como capital durante 50 anos e recuperou a posição de capital real novamente de 1760 a 1764.


Os britânicos construíram a ponte Ava que liga Sagaing a Mandalay.



E no meio de monjas rosa e sapos de bronze gigantes, quem encontro no templo Soon U Ponya Shin, no cimo da colina de Sagaing?


O tal monge que conheci no dia anterior na torre do Palácio de Mandalay. Tirámos mais uma foto para a posteridade...



E estes monges para além de simpáticos são lindos!!!
Todas as posições são válidas para tentar uma boa fotografia e, depois de almoço, já embarcávamos para outra localidade: Inwa...



Onde alugámos uma carroça para visitar esta antiga cidade que foi a capital de Myanmar de 1364 a 1841.

O inquieto cavalo lá nos transportou atraves de monumentos e campos de arroz, mas a mim pareceu-me que ele se preparava para desertar mais cedo ou mais tarde.


O mosteiro Maha Aungmye Bonzan, de 1822

A torre Nanmyin, apesar de inclinada, tambem oferece bonitas vistas.


O belo e ornamentado mosteiro Bagaya, feito em madeira


Is that a 'motorbike' near the temple?? (private joke)



Ao fim da tarde voltámos a Amarapura para, desta vez, apreciar, de barco, a famosa ponte U Bin Bein.





A ponte U Bin Bein é a maior ponte em madeira do mundo, com 1,2 km, construída para salvar os pilares de teca indesejados do antigo palácio de Mandalay.




O Stefan faz pesquisas no domínio da física espacial, não admira que seja tão fascinado pelo astro solar.

Acabámos em Amarapura por causa da luz...


O Stefan foi mais um excelente e divertido companheiro de viagem. Despedimo-nos em Mandalay quatro dias depois de nos termos conhecido. Ele seguia mais para norte e eu iniciaria o regresso, no sentido descendente, a Yangon.

2 comentários:

  1. Comentários para quê......
    Simplesmente lindo. Tudo o que te rodeia deve transmitir uma paz, seja paisagem ao ser.

    Maria João

    ResponderEliminar
  2. Tambem nao estou a trabalhar nem a aturar 'patroes ingratos'... Um grande abraço p'ra ti, 'miguinha!

    ResponderEliminar