terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Luang Prabang

Ao procurarmos um sítio para ficar, logo no dia da chegada a Luang Prabang, eu e a Pia, a sueca que acabara de conhecer à saída do barco em que descemos o Mekong, dirigimo-nos para uma hostel numa rua paralela ao rio. Quem estava à porta? As duas raparigas croatas que conheci em Pai, na Tailândia...
Noutro dia, encontrei o rapaz holandês que estava na mesma guesthouse em que eu e a Sheila ficámos em Chiang Saen, também na Tailândia. Constantemente encontramos pessoas que vieram connosco no slow boat...
Luang Prabang é uma cidade pacata, com pessoas calmas, afáveis e sorridentes. Há templos por todo o lado e a arquitectura das casas vai desde a tradicional à de influência do período colonial francês.

A cidade real de Luang Prabang encontra-se classificada pela UNESCO como Património da Humanidade. Tudo fica em bom alcance, visita-se bem a pé e sentimo-nos bem aqui.
Nada como nos tratarmos bem logo pela manhã...
Com a Ljubica e a Zorica subi a colina Phu Si onde se encontram vários templos e se vislumbra a cidade, tanto para o lado do rio Nam Khan...
... como para o lado do rio Mekong. Os dois rios confluem a norte da cidade, de onde se tem também uma espectacular vista ao pôr-do-sol.
Manhã cedo, pelas cinco da matina, dezenas de monges caminham pelas ruas de Luang Prabang para receber as oferendas das pessoas. É uma tradição milenar. Preparam-se as ofertas.

É um evento emocionante, colorido, silencioso, solene.
Madruguei duas vezes. Uma para tirar fotos, outra para também participar nas oferendas.
No domingo, fui com a Pia e uns amigos franceses que ela conheceu no curso de massagem em Chiang Mai, para uma cascata a 30 km de Luang Prabang. Fomos de tuk-tuk.
Almoçámos por lá num daqueles restaurantes típicos...
A cascata é belíssima, com muitos lagos onde se pode nadar, na água azul turquesa.
Costumava jantar sempre com a Pia. Uma noite desencontrámo-nos. E fui comer ao 'Food Market'. Foi quando conheci o Tom e a Yvonne, um simpático casal 'multinacional', e o Cedric, francês.
Depois do jantar, passámos pelo Mercado Hmong Nocturno, onde se vende um pouco de tudo...
... e fomos conhecer dois bares: o Hive e o Utopia.
Voltei de dia a este último, um bar-jardim localizado em frente ao rio, ideal para relaxar.
Hoje dirigi-me à associação Big Brother Mouse que visa incentivar os alunos a ler e a aprender ou aperfeiçoar a língua inglesa.
Estive a 'dar aula' ao Thong. Ele também me ensinou muitas coisas relativas aos hábitos da sua tribo, os Hmong. A maioria da população Hmong do Laos está situada na área montanhosa do norte do país.
As duas croatas seguiram ontem para o Vietname e a Pia regressou hoje à Tailândia. Fico em Luang Prabang mais esta noite. Amanhã continuo para Phonsavan. Agora vou fazer uma Limpeza Facial (1 hora = 5 euros).

Sem comentários:

Enviar um comentário