quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Hué, rio Perfume

Depois de ter almoçado, na segunda-feira, com o CS Eduardo, filipino, que vive ha uns anos em Hanoi com a esposa, apanhei o 'Sleeping Bus' em direcção ao sul, a minha primeira experiência num autocarro do género.


Cheguei a Hué, uma cidade situada no centro do Vietname, as 9h00 de terça-feira. Esperava-me o Hau que me contactou tambem atraves do CS. Mostrou-me a cidade na sua motorizada e, nesse dia, almoçamos e jantamos juntos, em restaurantes 'tipicos'.


O Hau esta a acabar os estudos universitarios em lingua inglesa e é também professor de ingles. Ganha cerca de 50 euros mensais...

A tarde, visitei a citadela que me deixou deveras impressionada. Esta a ser feito um excelente trabalho de reconstrução deste local que foi destruido pelos americanos durante a guerra. O complexo de edificios e jardins é lindissimo, mesmo com o tempo chuvoso.

Hué foi a capital do país até 1945. É muito conhecida pelo seu património arquitectónico. Antiga capital imperial na qual a extensão e o estilo da sua Cidade Imperial eram similares à da Cidade Proibida de Pequim. Na actualidade é uma cidade cheia de vida, por onde passa o rio Perfume.


Capital da Dinastia Nguyen, senhores do sul no século XV, Hué tornou-se capital do Vietname após a reunificação de Gia Long em 1802. A cidade imperial foi construída ao longo do século XIX.
Tornada residência imperial e sede da corte, Hué adquiriu grande prestígio e grande sofisticação na música e na gastronomia. A cidade proibida foi parcialmente destruída em 1885, e depois em 1947.
Hoje convidei o Hau para ir comigo fazer a viagem no Dragon Boat. O tempo continua de chuva mas deu para apreciar o modo de vida das pessoas nas margens do rio Perfume e rio abaixo, rio acima.
Na primeira paragem, assistimos a uma demonstração de artes marciais, exibindo um pouco do que eram os costumes no tempo dos imperadores.


Thien Mu Pagoda

O grupo com o guia.
Quando visitamos o tumulo do imperador Minh Mang, fiquei admirada quando o guia disse que foi um missionario portugues, de nome Alexandro (?), que converteu o alfabeto de caracteres chineses, usado ate entao, para o latino, em 1625...

Por fim, visitamos uma aldeia onde se fazem os pauzinhos do incenso.

2 comentários:

  1. Olá Linda!

    Tenho andado por este teu blog, e tenho ficado maravilhada. Amei os lagos no Laos. Pensei que aquilo só existia nos filmes... (portanto seriam tudo montagens e efeitos especiais), com as tuas fotos percebi que eram reais e extraordinários. Muitas coisas interessantes tenho aprendido através dos teus olhos. Obrigada por partilhares.

    ResponderEliminar
  2. E obrigada pelos teus comentários que adoro! Posso andar aqui por longe mas gosto de sentir os amigos 'por perto'... Bji

    ResponderEliminar